Câncer anal: tudo o que você precisa saber

Câncer anal: tudo o que você precisa saber

O câncer é uma das doenças mais conhecidas e temidas pelas pessoas. Existem diversos tipos de câncer, mas todos eles se iniciam devido ao crescimento e à multiplicação anormal  e descontrolada das células. Dessa maneira, ele pode afetar várias partes do corpo humano, dentre elas, o ânus.

De acordo com o INCA (Instituto Nacional de Câncer), câncer anal consiste em tumores que ocorrem no canal e bordas externas do ânus. Ainda segundo o INCA, “os tumores no canal do ânus são mais frequentes entre as mulheres. Os que surgem nas bordas do ânus são mais comuns no homem”.

Por mais que seja raro, (representa de 1 a 2% de todos os tumores do cólon e de 2 a 4% de todos os tipos de câncer que acometem o intestino grosso), precisamos falar sobre ele, pois essa é uma doença que requer um acompanhamento minucioso e tratamento adequado.

Como o câncer do ânus pode ser caracterizado?

O perigo do câncer anal é que ele aparece como uma ferida — sendo comumente confundido com hemorroida ou fissuraque cresce lentamente. Essa ferida não costuma doer e sangra pouco, por isso, passa despercebido na maioria das vezes. Dessa maneira, os pacientes costumam achar que, por se tratar de “uma simples ferida”, podem se automedicar com pomadas, demorando a procurar um coloproctologista.  

Porém, com o tempo, os sintomas se agravam:

  • Coceira e desconforto anal;
  • Pequena secreção;
  • Dificuldade de cicatrização;
  • Verrugas ou irregularidades aparentes na borda do ânus.

O diagnóstico é realizado por exame local, que pode incluir a anuscopia (exame endoscópio do ânus; um procedimento simples, realizado no próprio consultório) com biópsia. O tratamento depende do tipo do tumor. Entenda a seguir.

Quais são as possibilidades de tratamento?

Nos casos iniciais, a cirurgia pode ser suficiente para sanar o câncer anal. Os tratamentos mais comuns são realizados por radioterapia e quimioterapia. Lembrando que as chances de cura para os tumores não avançados são satisfatórias. O acompanhamento é realizado conforme a gravidade do tumor, mas incluem exames, visitas periódicas ao médico e cuidados complementares, como repouso e alimentação adequada.

Infelizmente, não existem maneiras de se evitar o câncer anal, mas podemos citar alguns grupos de risco que precisam se manter alertas:

  • Portadores de HPV e outras doenças sexualmente transmissíveis, como AIDS (HIV);
  • Pessoas com feridas antigas da no ânus como fissuras anais.

Dicas da Dra. Hilma

Hemorroidas na GravidezAs verrugas anais, conhecidas como condilomas, podem se transformar em câncer. Se você notar algo estranho no ânus, não se automedique por achar que se trata de algo simples como o princípio de uma hemorroida. Os remédios ou pomadas que você usar podem piorar o caso e dificultar o devido tratamento.

Vá a um coloproctologista, pois existem muitas doenças no ânus e, quanto mais cedo você buscar tratamento, maiores suas chances de sanar o problema. Não acredite em palpites,  receitas e opiniões de pessoas que não entendem do assunto. Cada pessoa tem uma doença e, para cada doença do ânus, existe um tratamento.

Está passando por um problema e precisa da ajuda de um coloproctologista? Agende sua consulta agora mesmo com os melhores profissionais, em um clique!

Autor

Dra. Hilma Nogueira da Gama
Dra. Hilma Nogueira da Gama
CRM-MG 16.386

Graduada em medicina pela UFJF (1983) e com residências em Cirurgia Geral pelo Hospital Belo Horizonte e em Coloproctologia pela Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte. É membro titular e coordenadora de Coloproctologia no Hospital Madre Teresa.

Acredita que o médico tem função social de informar, interagir e se aproximar dos pacientes. Nasceu em uma família de médicos, de onde herdou seu dom para a profissão.

Compartilhe

comments

Dra. Hilma Nogueira da Gama

CRM-MG 16.386 Graduada em medicina pela UFJF (1983) e com residências em Cirurgia Geral pelo Hospital Belo Horizonte e em Coloproctologia pela Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte. É membro titular e coordenadora de Coloproctologia no Hospital Madre Teresa. Acredita que o médico tem função social de informar, interagir e se aproximar dos pacientes. Nasceu em uma família de médicos, de onde herdou seu dom para a profissão.
Fechar Menu